Ponta Porã/MS, Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017 | 14:12
27˚
(67) 3042-4141
Saúde
Domingo, 30 de Julho de 2017, 11h:16
Tamanho do texto A - A+

Hospital em Ponta Porã volta realizar cirurgias eletivas

Pacientes precisavam ir à Dourados ou Campo Grande para atender as demandas

Renato Giansante
De Dourados para o Capital News

Divulgação

Hospital em Ponta Porã volta realizar cirurgias eletivas

Pacientes já estão sendo operados em Ponta Porã e fila de espera vem diminuindo

Desde abril, o Hospital Regional de Ponta Porã (Dr. José de Simone Netto) retomou as realizações de cirurgias eletivas que estavam paralisadas desde 2015. Os pacientes, casos não urgentes e com agendamento prévio, precisavam antes ir a Dourados ou Campo Grande.

De acordo com a assessoria, no local estão sendo realizados nove tipos de cirurgias: hérnia inguinal; hérnia umbilical; hérnia epigástrica; hérnia incisional; colecistectomia (retirada da vesícula); histerectomia; perineoplastia (cirurgia para correção da região genital da mulher) e oforectomia (retirada de um ou dois ovários).

As solicitações são feitas pelas secretarias municipais de saúde dos municípios da microrregião, mas é por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde de Ponta Porã e do Sistema de Regulação (SISREG), que os pacientes são encaminhados para o pré-operatório e para o Hospital.

O diretor do Hospital, Dr. Mario Cesar Bitencourt Madureira, comemorou a retomada e disse que esse tipo de cirurgia evita as emergências. Para ele, a fila de espera vem diminuindo com o fluxo rápido de encaminhamento.

“Falar em cirurgias eletivas agendadas no serviço público é investir hoje para deixar de fazer algo às pressas ou muitas vezes, mais caro e com mais riscos para o paciente amanhã, ou seja, quando operamos uma hérnia, ou uma vesícula eletiva hoje, deixamos de fazer esses procedimentos quando os pacientes estão com esses órgãos inflamados causando muitas dores”, afirmou.

O médico Silvio Roberto Rocha Antunez, cirurgião geral, médico do trabalho e especialista em ultrassonografia, explica que a fronteira tem uma particularidade – as patologias de vesícula são muitas no Hospital devido à alimentação dessa região. “Temos uma comida preparada com muita gordura, por isso há muitas cirurgias em pacientes que sofrem devido à presença de cálculos e pequenas pedras na vesícula. A abertura desses procedimentos tem melhorado a vida de muitos pacientes”.

Para voltar a realizar os procedimentos, o hospital recebeu recentemente 42 novos instrumentais cirúrgicos para complementar e montar novas caixas cirúrgicas. Anteriormente havia apenas cinco caixas para atender todas as demandas de cirurgias do Hospital.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix